O amor da gente era tão feio – tão sujo – que às vezes nem merecia o nome que tinha.

Mordidas à parte, era a culpa de pôr o coração em quem não devia: o gosto de viver a vida do jeito que queria.

Anúncios